Rodrigo Lins - Grande Mestre Estadual de Pernambuco
Publicado em 06 de Abril de 2016
Foto: Acervo pessoal
Grande Mestre Estadual aos 26 anos, Rodrigo Lins segue uma tradição recente da Ordem DeMolay de Pernambuco: a administração comandada por jovens. Apesar da juventude, Lins admite que a aliança com a Maçonaria é fundamental para o crescimento da Ordem DeMolay. “A fórmula que vem sendo usada, é a visita as lojas maçônicas do estado, e falar do investimento que é ter um Capítulo DeMolay na loja e para a sociedade local e quando esse projeto é apresentado as lojas maçônicas tem comprado a ideia”, explica o Grande Mestre Estadual, que é Past Mestre Conselheiro Nacional. Segundo ele, o resultado do trabalho do Grande Conselho pode ser medido pelas sugestões dos DeMolays. “Deixamos bem claro para todos que nos tragam ideias e propostas de projetos que caso se tenha a viabilidade, iremos realizar”, garante. Leia a entrevista completa:
 
O Grande Conselho Estadual de Pernambuco tem estado na vanguarda recente da Ordem DeMolay com iniciativas como a formação de parcerias com universidades, por exemplo. Qual a inspiração e como motivar os membros do Grande Conselho a contribuir com iniciativas como esta?
Desde o início da nossa gestão procuramos criar um canal aberto com todos os nossos DeMolays e deixamos bem claro para todos que nos tragam ideias e propostas de projetos que caso se tenha a viabilidade, iremos realizar. E essa ideia de parceria com universidades surgiu através do sobrinho Augusto Amaral, do Capítulo Caruaru, que trabalha em uma dessas universidades parceiras do GCE-PE. Vivemos em um país que clama por mudanças na sociedade e na minha visão a educação é o pilar para a mudança, e é muito importante que criemos pontes para o incentivo ao estudo. Nossos jovens devem cada vez mais procurar investir no seu futuro, e a educação é o maior investimento que podemos fazer pelos jovens.
 
Recentemente, Pernambuco ganhou novos Capítulos fundados e também filiações de Capítulos mais antigos. Existe uma fórmula sendo aplicada para atrair a atenção das lojas patrocinadoras e também dos Capítulos antigos?
A fórmula que vem sendo usada, é a visita as lojas maçônicas do estado, e falar do investimento que é ter um Capítulo DeMolay na loja e para a sociedade local e quando esse projeto é apresentado as lojas maçônicas tem comprado a ideia. Tenho como meta visitar todas as cidades onde se tenham lojas da Grande Loja Maçônica de Pernambuco, já que é a potência maçônica que abriu as portas para nós do GCE-PE. Mas espero no futuro garantir uma abertura no GOB-PE. A Grande Loja Maçônica de Pernambuco também tem nos ajudado nessa missão, enviando comunicados para as lojas da sua jurisdição para solicitar que essas fundem Capítulos e as que já possuem Capítulos que mantenham um apoio forte. Nosso Sereníssimo Grão-Mestre, Janduhy Cassiano tem sido um parceiro fundamental para que essa abertura de Capítulos e fortalecimento dos existentes aconteçam!
 
Como sua experiência como Mestre Conselheiro Nacional tem auxiliado na condução do Grande Conselho Estadual?
Ter vivido no outro lado da moeda, é algo que facilita muito no atual trabalho, pois a gente entende como o DeMolay pensa e atua, e usamos esse tipo de conhecimento para desenvolver um trabalho mais direcionado. Com esse tipo de entendimento, a gente começa a otimizar tempo, trabalho e dinheiro do GCE-PE.
 
O GCE-PE tem sido conduzido, majoritariamente, por Sêniores DeMolays com menos de 30 anos nas três últimas administrações [Anderson Lima e Fortunato Neto antecederam Lins]. Qual a vantagem de tanto sangue novo? Há desvantagem?
Em 2011 quando Anderson assumiu o GCE-PE, ele tinha 24 anos e essa era a média de idade do nosso GCE naquele ano. Sofremos uma pressão enorme por parte de maçons mais velhos, que diziam que a Ordem DeMolay de Pernambuco estava nas mãos de um bando de moleques. Porém poucos sabem que um maçom mais experiente que antecedeu Anderson, deixou o GCE-PE com uma dívida de R$ 50 mil. E os moleques (e me incluo nisso, pois era o Grande Secretário Estadual Adjunto e Fortunato o Grande Tesoureiro Estadual) pagaram essas dívidas com muito trabalho e suor. Hoje não vejo mais desvantagens, já que superamos qualquer tipo de desconfiança através de trabalho e luta. E vejo como vantagem é que tem muito cara novo disposto a trabalhar e fazer a diferença, sem nenhum tipo de vaidade. E é por isso que temos feito a diferença, por ter gente que quer trabalho e não usar um colar e sair viajando pra tirar foto.
 
Qual o grande desafio de fazer Ordem DeMolay no Nordeste? Em Pernambuco é diferente?
Enxergo como dificuldade a situação financeira das nossas cidades, pois temos muitas cidades com um PIB muito baixo, e isso acarreta numa renda do lar muito baixa também. Porém sempre o que eu digo aos nossos garotos é que se eles tiverem um bom planejamento, podem pagar de forma tranquila os custos da Ordem DeMolay. E com certeza esse tipo de planejamento vai refletir na vida pessoal de cada um. Outra dificuldade que enxergo é que os Capítulos precisam inovar sempre, e sair do marasmo de apenas ir pra uma sala capitular e fazer reunião, isso não é Ordem DeMolay, isso é ser mecânico, e batemos muito forte na tecla aqui de inovação, até porque precisamos acompanhar o dinamismo da juventude e do mundo. O próprio GCE-PE teve que mudar a forma de pensar e agir, e com isso temos notado uma boa melhora nos nossos capítulos e no nosso GCE.
 
O próximo Congresso Estadual de Pernambuco, em Garanhuns, tem como símbolo um leão. Você é torcedor do Sport, que tem o leão como mascote. Essa coincidência se tornou uma brincadeira frequente em redes sociais. Foi clubismo do Grande Mestre Estadual?
Quem me conhece, sabe que torço para o Sport - o maior do Norte-Nordeste! [Risos] Porém o uso do Leão vem desde a logo da nossa gestão do GCE-PE e é uma alusão a história de Pernambuco, que é conhecido como o ''Leão do Norte''. Pernambuco é considerado o Leão do Norte pela força e coragem de seus moradores, foi durante muito tempo o Estado que mais lutou pelo fim das injustiças sociais. A Revolução Pernambucana de 1817 foi um marco na história da busca pela liberdade em Pernambuco e no Brasil. Porém por ironia do destino, casou certinho com o meu time do coração! E como eu gosto de brincar com todo mundo, tenho sofrido essas brincadeiras de grandes parceiros, que sempre encaramos de forma boa e tranquila.
 
Qual a sua expectativa para a Ordem DeMolay nos próximos anos?
Eu tenho uma expectativa muito boa sobre o nosso futuro, chegamos a um nível muito alto de trabalho e administração, e precisamos manter esse ritmo, pois não cabe mais a Ordem DeMolay retroceder. Porém sempre temos que trabalhar pensando na nossa base, eles que fazem a catraca rodar, e não há mistério em continuar a fazer isso, já que a roda não precisa ser inventada. Ela já foi feita e precisa continuar girando. Só cabe a nós, pessoas que estão administrando a Ordem DeMolay nos nossos estados, em conjunto com o Supremo Conselho, continuar dando subsídios a nossos garotos para que eles continuem fazendo o belo trabalho que já vem sendo feito. Como já foi dito acima, porém sempre gosto de frisar: Por favor, não nos esqueçamos da base, dos nossos queridos DeMolays ativos.