Capítulo Castanhal e Ordem DeMolay completam 30 anos no Pará
Publicado em 07 de Outubro de 2017
Foto: Acervo pessoal Paulo Espinheiro
Era uma noite de terça-feira. A data foi a mesma em que, há 30 anos, o Capítulo Castanhal nº 61, da cidade de Castanhal (PA), era instalado. Com a coincidência do mesmo dia da reunião da Loja Maçônica Rei Salomão nº 52, patrocinadora do Capítulo, o dia 3 de outubro de 2017 foi escolhido para a celebração dos 30 anos da Ordem DeMolay no Pará, data do aniversário do Capítulo Castanhal.
 
“Se hoje sou Grande Mestre Nacional, é porque a Ordem DeMolay chegou ao Pará, pelas mãos de Paulo Espinheiro, baluarte do Capítulo Castanhal”, ressalta o Grande Mestre Nacional, Paulo Henrique (PH) Pereira, primeiro Sênior DeMolay do Pará a chegar ao posto máximo da Ordem DeMolay no Brasil. Segundo PH, que participou das festividades, as homenagens ao Capítulo Castanhal são uma forma de reconhecer todo o trabalho realizado ao longo das últimas três décadas no município – e também no estado do Pará, que atualmente conta com 21 Capítulos ativos.
 
Um dos grandes homenageados da noite, que reuniu cerca de 200 pessoas na Câmara de Vereadores de Castanhal, o fundador do Capítulo, Paulo Espinheiro, foi econômico nas palavras ao descrever a data. “A Cerimônia foi belíssima e tudo estava perfeito”, resumiu. “Espinheiro é um dos grandes nomes dessa história”, destacou Paulo Henrique. A comemoração, classificada como “transcendental” pelo Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado do Pará, Wagner Spíndola, marcou o encontro das mais diversas gerações que fizeram a história do Capítulo.
 
Atual presidente do Conselho Consultivo do Capítulo, o Sênior DeMolay André Nascimento lembra que as festividades serem realizadas numa terça-feira foram também um momento da Loja Maçônica patrocinadora reconhecer o papel do Capítulo ao longo de 30 anos. “Os maçons resolveram prestar essa homenagem”, assegura Nascimento, que recebeu do Grande Mestre Nacional uma comenda de Past Mestre Conselheiro. “O André Nascimento tem um papel importante nessa história e trabalhamos juntos desde a época em que fui Mestre Conselheiro Estadual do Pará”, afirmou Paulo Henrique, sem datar o período em que foi liderança juvenil paraense e evitar que a idade mais avançada ganhasse destaque.