17 de Setembro de 2019
Reconhecimento Internacional
Mapa da Legalidade
DeMolay International
Memorial DeMolay
Revista DeMolay
Facebook e sua moeda, a Libra, põem em xeque a soberania monetária
Publicado em 06 de Agosto de 2019
Mark Zuckerberg, fundador de Facebook
Foto: AMY OSBOREN (AFP)
A criptomoeda da rede social dispara o alarme nos bancos centrais do mundo todo.

Faz tempo que o Facebook perdeu a confiança do mundo. Faz tempo que quer ser um país. A empresa de Mark Zuckerberg tenta conectar dois vértices que se repelem como cargas magnéticas de sinais opostos. Mas o que a física nega é substituído pela ambição, que é tão grande quanto um oceano sem margem. A rede social pretende se transformar em uma nação rica, superpovoada, com cerca de 2,4 bilhões de usuários (somando WhatsApp, Instagram e Facebook Messenger) habitando seu território digital. Uma geografia conectada 24 horas por dia, que transforme uma torrente de trilhões de dados em rios de dinheiro; uma nova superpotência nascida da tecnologia, não da geopolítica do ser humano.

Zuckerberg acordou há 18 meses com esse sonho. Desde então, na sede central da empresa em Menlo Park, Califórnia, uma equipe trabalha em segredo para recriar a identidade econômica e social de um país: sua moeda. O resultado é a libra. Uma criptomoeda que a rede social planeja lançar em 2020 com o apoio de 27 empresas, entre elas Visa, MasterCard e Uber, e que pode ser um cavalo de Troia geoestratégico e financeiro. Se (porque esta história deve ser escrita no condicional) os 2,4 bilhões de usuários da plataforma utilizassem essa ciberdivisa para comprar e enviar dinheiro (como se faz no PayPal e no WeChat), ela poderia se tornar a maior entidade financeira do planeta. Se cada poupador ocidental destinasse um décimo de seus recursos à libra, ela valeria 2 trilhões de dólares (7,5 trilhões de reais). O alvorecer de um colosso − e seu potencial desestabilizador − no mercado de títulos. “Esta moeda tem muito impacto e é preciso agir com grande cautela”, alerta Emilio Ontiveros, presidente da empresa espanhola de consultoria Analistas Financieros Internacionales (AFI). “É como se um Estado novo, e poderoso, emitisse uma moeda que estivesse entre as dez mais importantes do mundo.” Uma moeda que, além disso, tem a capacidade de afetar a soberania monetária de países frágeis.

A criptomoeda do Facebook e seus parceiros oculta dentro dela um “tique-taque” que ultrapassa os limites da economia. Porque, até agora, a forma como o dinheiro e os pagamentos são estruturados era função exclusiva das instituições democráticas, não das grandes empresas de tecnologia. Agora, os reguladores se perguntam se as velhas ferramentas de política econômica servirão para controlar esses gigantes. Usurpadas as funções, acendem-se os alertas vermelhos. “Todos os bancos centrais do mundo vão se opor à libra, e Mark Zuckerberg, que tem um patrimônio líquido de 73,6 bilhões de dólares [275 bilhões de reais], pode correr o risco de fazer isso. No entanto, tem grandes possibilidades de sair perdendo”, reflete Guillermo de la Dehesa, presidente honorário do Centre for Economic Policy Research (CEPR) de Londres. Por enquanto, aumenta a cautela recomendada por Ontiveros. O Bundesbank alerta para o “retorno ao Velho Oeste dentro do sistema monetário” e o Banco da Inglaterra encara o assunto “com a mente aberta, mas não com a porta aberta”. Uma desconfiança que atinge os próprios donos da plataforma. “Temo que a libra faça à indústria financeira o que o Facebook fez à privacidade e ao debate público”, alerta Jonas Kron, vice-presidente sênior da firma de investimentos Trillium Asset Management, que tem 53.000 ações da rede social.

Mais uma vez a tecnologia no século XXI é parte do problema, não da solução; mais uma vez o Facebook precisará dar explicações ao Congresso dos EUA. Na próxima quarta-feira, a pedido da democrata Maxine Waters, presidenta do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes, o diretor-executivo da libra, David Marcus, fará provavelmente um relato que pode ser assim:

— Por que criaram a libra? − talvez pergunte Waters.

— Queremos empoderar 1,7 bilhão de adultos no mundo que não têm acesso a serviços bancários — responderá a empresa.

— Por que devemos confiar no Facebook? Recordo-lhe o escândalo da Cambridge Analytica.

— Reforçamos os controles e a criptomoeda é respaldada por meios de pagamento (PayPal, Visa, MasterCard) com décadas de experiência em segurança digital.

Esse poderia ser o início do interrogatório. Mas a aceitação da moeda será uma batalha. E o Facebook sabia disso. Eis as pistas: em janeiro, a empresa contratou o ex-vice-primeiro-ministro do Reino Unido Nick Clegg como responsável por Assuntos Globais e Comunicação e, segundo o Financial Times, em setembro Edward Bowles, do banco inglês Standard Chartered, vai se unir a ela para cuidar dos problemas regulatórios na Europa. Zuckerberg previa a tempestade. Mas principalmente a fragilidade que a tecnologia provocou em muitas instituições financeiras. “O que as grandes plataformas, como Facebook, Google e Amazon, pretendem é tirar negócios dos bancos, assim como o Alibaba na China. A libra é o primeiro ataque”, afirma Kenneth Rogoff, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional.

Volatilidade

Isso porque a moeda de Zuckerberg − o “Mark”, como Steve Forbes, editor da Forbes Media, propõe ironicamente que seja chamada − está bem cunhada. Não é um bitcoin. É o que se chama de stablecoin (“moeda estável”). É respaldada por uma cesta de moedas “tradicionais” e por títulos. Com essa arquitetura, evita-se a volatilidade das criptomoedas. E, ao ser de código aberto, qualquer um (pensemos na Amazon) pode criar aplicativos baseados nela. Tudo com um só anseio: controlar os dois trilhões de dólares movimentados pelas transferências no planeta. O Facebook quer enviar dinheiro ao custo de um WhatsApp. “Provavelmente começará cobrando pequenas taxas das empresas pelas transações”, prevê Joaquín Robles, analista da corretora XTB. Inicialmente, os consumidores poderiam economizar 25 bilhões de dólares (93,5 bilhões de reais) em comissões. Em troca, isso sim, de entregar mais dados e confiar em uma empresa que já mostrou muitas vezes não ser digna de confiança. Nem Fausto concordaria em queimar assim no inferno.

“A libra precisa convencer de que não invadirá os bancos centrais do mundo, de que não está aperfeiçoando ainda mais sua captura em massa de dados, de que não é um novo canal para a lavagem de dinheiro”, afirma Kevin Werbach, professor da escola de negócios Wharton e referência em tecnologia digital. É claro que se a plataforma quiser recuperar a confiança (essência dos serviços bancários, do comércio e das relações humanas) da sociedade lançando a libra, terá de justificar seus contrassensos. “As promessas do Facebook de dar as boas-vindas à responsabilidade e à regulação soam vazias. Basta pensar na decisão de estabelecer a sede da criptomoeda [a Libera Association] na Suíça: a pior jurisdição secreta do mundo. Em termos de transparência, é o mesmo que abrir um café vegano dentro de um matadouro”, compara Alex Cobham, diretor-executivo da Tax Justice Network, uma organização ativista especializada em assuntos fiscais.

A desconfiança é a verdadeira moeda que o Facebook controla. Entre seus 27 parceiros não há nenhum banco. Por quê? A plataforma se aproximou, conta o The New York Times, de grandes empresas de investimento, incluindo Goldman Sachs, JP Morgan Chase e Fidelity, mas elas se negaram a participar, em parte pelos problemas regulatórios e talvez porque a aventura anda muito concorrida. “A JP Morgan está preparando sua própria moeda e 13 dos maiores bancos do mundo lançarão suas stablecoins no próximo ano. Confiaremos mais no Facebook do que nos bancos?”, pergunta Giles Alston, analista da firma de consultoria britânica Oxford Analytica.

A viagem de Zuckerberg atravessará densos bancos de nevoeiro. Evasão fiscal, lavagem de dinheiro, privacidade, preocupações regulatórias e a possibilidade de que − aponta a Standard & Poor’s − a libra seja vista como um pseudodepósito bancário. Inclusive o tempo lhe volta as costas. Até o tempo lhe vira as costas. O consórcio global Swift, líder mundial de serviços seguros de mensagens financeiras, “demorou mais de 40 anos para construir uma rede de 11.000 bancos que adotassem sua solução”, lembra Meng Liu, especialista da Forrester Research.

Mas o Facebook não tem a virtude da paciência. Seu antigo lema, “Move fast and break things” (“mova-se rápido e quebre coisas”), revela sua relação com a sociedade e as horas. Castigado por seus erros, muito poucos defenderão “o ator mais terrivelmente irresponsável do panorama tecnológico”, afirma Enrique Dans, professor da IE Business School. Então, o que restará depois de tanta porcelana quebrada? Os reguladores provavelmente frearão a entrada da libra nos créditos hipotecários, nos empréstimos e na compra e venda de ações. “No entanto, a ameaça para o negócio das transferências já está aí”, aponta Ontiveros. Um perigo que testa suas fronteiras. “A moeda funciona bem como meio de pagamento, mas não é um risco para o dólar, porque por trás dele estão o peso do contribuinte americano e o maior poderio militar do mundo”, diz Miguel Otero Iglesias, pesquisador principal do Real Instituto Elcano. Uma batalha que nem Zuckerberg ousaria travar.

Fonte: EL PAÍS
ENTREVISTAS
Paulo Henrique Pereira, Grande Mestre Nacional Adjunto
Virtualmente eleito Grande Mestre Nacional – a contabilização dos [...]
Lúcio Portela, GME - Maranhão
Iniciado no Capítulo “Juventude Fraterna” da cidade de São [...]
Giuseppe Leggi, Past Grande Estadual do Paraná
Giuseppe Leggi, Legionário de Honra e Past Grande Mestre Estadual do Paraná [...]
Felipe Galvão, o #DM40k
A entrevista do mês de fevereiro é com o #DM40k. Em 2014 o SCODRFB superou a [...]
DM BRASIL
Congresso Estadual do Rio de Janeiro aconteceu no Palácio do Lavradio
No dia 14 de setembro, ocorreu o Congresso Estadual do Rio de Janeiro na capital, no histórico Palácio [...]
DeMolay Brasil
SCODRFB participa do Congresso Estadual em Sena Madureira no Acre
Nos dias 06 e 07 de setembro ocorreu o Congresso Estadual do Acre em Sena Madureira, que foi palco da [...]
DeMolay Brasil
Comitiva do MCNA realiza visitas pela Ordem DeMolay em Santa Catarina
Entre os dias 23 a 25 de agosto de 2019, o Mestre Conselheiro Nacional Adjunto, João Eduardo, realizou uma [...]
DeMolay Brasil
Nós Apoiamos o SCODRFB
© 2019 SCODRFB | Centro Nacional de Liderança DeMolay
SGAN 909 - Asa Norte - Módulo A - CEP: 70790-091 - Brasília - DF
© 2019 DeMolay Brasil | Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil. TODOS DIREITOS RESERVADOS.

Desenvolvido por Plural